Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Fechar
  • Menu
Artigo

Parceria original junta tecnologia INESC TEC com arte fotográfica

No dia 23 de fevereiro teve lugar, no Mira Fórum, a inauguração da exposição de fotografia e vídeo legendada “Olha e Vê. Sente e Vive.” e “Outros Retratos e Auto-retratos”, promovida no âmbito do projeto SCREEN-DR do Centro de Investigação em Engenharia Biomédica (C-BER) do INESC TEC.

01 março 2019

A iniciativa combina elementos informativos sobre o SCREEN-DR, nomeadamente fotografias da retina, com um projeto fotográfico materializado numa série de fotografias e vídeos. Foi considerado um conjunto de retratos dos colaboradores envolvidos no projeto e outro de auto-retratos, a partir de imagens do fundo do olho do próprio artista, bem como um vídeo com retratos efetuados durante a recolha das retinografias.

 O SCREEN-DR é um projeto com coordenação do INESC TEC que tem como objetivo desenvolver uma plataforma computacional de rastreio e diagnóstico da retinopatia diabética, utilizando tecnologias da inteligência artificial e da visão por computador, que deverá tornar o processo de rastreio mais eficiente e auxiliar os médicos oftalmologistas na tomada de decisão.

O Mira Fórum, espaço dedicado essencialmente à arte contemporânea, exibe esta exposição até ao dia 16 de março, trazendo para “fora da sua zona de conforto” um projeto de investigação científica que mais facilmente ficaria entre muros, como explica a responsável pelo espaço, Manuela Monteiro. O programa da exposição conta ainda com várias conferências sobre o tema da visão, do olhar e da imagem, do ponto de vista artístico, médico e tecnológico:

- 9 de março, às 16h00, “A cegueira como forma de visão na poesia e fotografia”, por Renato Roque; “Pode a arte dar a ver”, por António Gonçalves; e “A imagem médica. Abordagem histórica”, por Manuel Valente Alves.

- 16 de março, às 16h00, “A imagem médica e o rastreio”, por Fernando Tavares; “A imagem médica e a inteligência artificial”, por Aurélio Campilho; e “Ver a saúde com outros olhos”, por Constantino Sakellarides.

A entrada é livre.

inauguração exposição

“Eu não sou eu nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio”

Aurélio Campilho, coordenador do C-BER e professor catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), e Renato Roque, fotógrafo e engenheiro de formação, foram os responsáveis por dar corpo a esta iniciativa. 

Tudo começou porque “as imagens da retina despertavam nas pessoas emoções e reações diferentes; olhavam para estas imagens e identificavam planetas, gemas de ovo, estradas a confluir para a lua, entre outras visões”, explica Aurélio Campilho, que considerou que o impacto visual que algumas das imagens provocavam, podiam ser interpretadas num projeto fotográfico único.

Por sua vez, Renato Roque admite que foi desde início um “desafio estimulante, algo de diferente e que nunca tinha feito até agora”. Seguindo o pressuposto que cada fundo de olho é único e funciona quase como uma impressão digital identificativa daquela pessoa apenas, Renato Roque procurou focar este trabalho numa questão de identidade, de uma forma que considera “completamente nova”. “É a primeira vez que trabalho com imagens que não fotografei e esse conceito, o de apropriação de imagens, é um conceito importante”, afirma o fotógrafo. Para ele, na apropriação de imagens acontece o mesmo “como quando adotamos um animal. Criamos com ele uma relação pessoal de afetividade e vamo-nos transformando mutuamente.”

No final, o professor da FEUP afirma que ficou “impressionado com a potencialidade de algumas destas imagens, que realçam aspetos que a simples impressão não revela”. E continua, “o Renato teve a arte de salientar alguns desses aspetos, nas retinografias normais e nas que foram objeto de pré-processamento”.

inauguração exposição- discurso

A retinopatia diabética e o rastreio tecnológico

A retinopatia diabética é uma complicação da diabetes, uma das doenças com maior crescimento a nível mundial. Trata-se da principal causa de cegueira no mundo industrializado e o seu tratamento pode ter sucesso se for diagnosticada numa fase inicial, daí a importância das operações de rastreio.

A plataforma do SCREEN-DR tem por base tecnologias da inteligência artificial e da visão por computador que avaliam a qualidade das imagens recolhidas do fundo ocular, deteta as imagens normais e atribui um grau de severidade à patologia, auxiliando o processo de tomada de decisão dos oftalmologistas.

Além do INESC TEC e da FEUP, o projeto SCREEN-DR conta com a participação de Carnegie Mellon University (EUA), Universidade de Aveiro, Administração Regional de Saúde do Norte e a BMD Software, com a colaboração do Centro Hospitalar de São João e a First Medical Solutions. É financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, no âmbito do Programa Carnegie Mellon Portugal.

 equipa projeto screen-dr

 

O investigador do INESC TEC mencionado na notícia tem vínculo à UP-FEUP.