Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Localizar e recolher redes de pesca com sensores acústicos e veículos autónomos

O projeto NetTAG (Tagging fishing gears and enhancing on board best-practices to promote waste free fisheries) desenvolveu uma solução tecnológica baseada em sensores acústicos e num veículo autónomo operado remotamente (ROV) para localizar e recuperar as artes de pesca perdidas. A solução foi testada no dia 25 de junho, ao largo da costa Norte de Portugal, na Póvoa do Varzim, assinalando o encerramento do projeto, que contou com a participação do Centro de Robótica e Sistemas Autónomos (CRAS) do INESC TEC.

12 julho 2021

A indústria da pesca é uma das que mais contribui para o lixo marinho. Mais de 45% da biomassa de resíduos plásticos encontrados no oceano está associada a artes de pesca perdidas ou descartadas. Foi com o objetivo de reduzir e prevenir o lixo marinho derivado da pesca que os parceiros se juntaram no projeto NetTAG.

A Universidade de Newcastle (Reino Unido) desenvolveu dispositivos acústicos de localização, enquanto que o Centro de Robótica e Sistemas Autónomos (CRAS) do INESC TEC utilizou um veículo híbrido, o IRIS AUV (Inspection and Recovery Intelligent System), desenvolvido para ajudar a recuperar a arte de pesca perdida. Os testes foram feitos a bordo de uma embarcação de pesca da Associação Pró - Maior Segurança Dos Homens Do Mar (APMSHM), também parceiro do projeto.

“Os resultados mostraram que ambas as tecnologias tiveram um excelente desempenho na localização e recuperação das artes de pesca. Escolhemos estas tecnologias já a pensar na sua utilização futura, por qualquer tipo de embarcação, já que são soluções pouco complexas e de baixo custo, pelo que a nossa expectativa é que continuem a ser utilizadas para reduzir a presença de redes de pesca na costa Noroeste da Península Ibérica “, afirma Alfredo Martins, investigador do CRAS.

Além da vertente tecnológica, o projeto teve ainda uma vertente de consciencialização, trabalhando diretamente com os pescadores e outros atores da indústria piscatória em ações de sensibilização, por meio de uma abordagem preventiva. Um dos exemplos foi a ação no Dia do Oceano Limpo, celebrado a 30 de abril de 2021, em que foram recolhidos por pescadores galegos mais de 320 kg de lixo marinho num dia.

O projeto teve como parceiros o CIIMAR (líder), o INESC TEC, a Universidade de Aveiro, a Universidade de Newcastle, a Universidade de Santiago de Compostela, a APMSHM, a Arvi (associação de pescadores de Espanha) e Euronete. Foi cofinanciado pelo Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas.

O investigador do INESC TEC mencionado na notícia tem vínculo ao ISEP-PPorto.