Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Fechar
  • Menu
Artigo

Projeto C4G com participação INESC TEC representa Portugal em Consórcio Europeu

Foi assinado, no dia 7 de novembro, o contrato entre a Comissão Europeia e o Consórcio Europeu de Infraestruturas de Investigação EPOS (European Plate Observing System), que concede a este último o estatuto jurídico de European Research Infrastructure Consortium (ERIC).

04 janeiro 2019

O EPOS consiste num sistema que visa apoiar, a longo prazo, a investigação nas Ciências da Terra Sólida e contribuir para uma melhor compreensão dos processos físicos que controlam terramotos, erupções vulcânicas, tsunamis, movimentos tectónicos e outros com impacto potencialmente grave sobre o meio ambiente e o bem-estar dos cidadãos. Participam neste consórcio várias instituições de investigação e universidades europeias, sendo Portugal representado pelo C4G (Colaboratório para as Geociências).

“Ter o C4G a representar Portugal no EPOS-ERIC é uma grande conquista”, afirma João Fonseca, delegado nacional do EPOS-ERIC e diretor técnico do C4G. Segundo ele, “é um reconhecimento e um aumento de brand awareness para todas as instituições de investigação que formam este consórcio, agora uma referência como infraestrutura de investigação FCT do roteiro estratégico português”.

O C4G, uma infraestrutura científica da FCT para a comunidade da Terra sólida (Solid Earth), da qual o INESC TEC faz parte, consiste em criar uma infraestrutura científica distribuída de partilha e de informação e prestação de serviços na área das Geociências da Terra Sólida, sobretudo no que respeita a sismologia, vulcanologia, geodesia, geologia e geomagnetismo. O INESC TEC e a Universidade da Beira Interior (UBI) têm responsabilidades na componente mais tecnológica do projeto, no desenho e implementação da infraestrutura de e-Science para esta comunidade. Este colaboratório pretende tornar-se uma referência no desenvolvimento de tecnologias, bem como num serviço que fornece diferentes produtos a partir de dados recolhidos em estações distribuídas por toda a Europa.

“O C4G, como o polo nacional do EPOS, tem acesso a oportunidades extraordinárias em pesquisas relacionadas às Ciências da Terra Sólida. De facto, o C4G torna-se uma referência no desenvolvimento de tecnologia como serviço, ao fornecer produtos GNSS a partir de dados recolhidos em estações distribuídas por toda a Europa”, afirma Rui Fernandes, presidente do Conselho Coordenador e do Conselho Executivo do C4G e coordenador do EPOS TCS (Thematic Core Services) GNSS Data and Products.

O protocolo que deu origem ao C4G foi assinado em 2011 entre a Direção Geral do Território, a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), a  Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), o INESC TEC, o IPMA, o Instituto Superior Técnico (IST),  o Laboratório Nacional de Energia e Geologia e a Universidades de Aveiro, Universidade da Beira Interior, Universidade de Coimbra, Universidade de Évora e Universidade de Lisboa.

Artur Rocha, colaborador do Centro de Sistemas de Informação e de Computação Gráfica (CSIG) é um dos membros do conselho coordenador do C4G, em representação do INESC TEC.

 

O investigador mencionado na notícia tem vínculo ao INESC TEC.