Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Fechar
  • Menu
Artigo

INESC TEC em projeto para controlo de desastres naturais com frotas de drones

O INESC TEC é a única instituição portuguesa a participar no projeto internacional ResponDrone, que tem como objetivo desenvolver uma solução de gestão de emergência baseada numa frota de drones. 

08 julho 2019

Espera-se, assim, que a reposta aos desastres naturais seja mais rápida, eficaz e eficiente. Para que este projeto seja possível, a União Europeia (UE) e a Coreia do Sul atribuíram-lhe 8,3 milhões de euros – 8 milhões de euros proveem da EU e 300 mil euros do governo sul coreano.

O INESC TEC é a instituição responsável pelo desenvolvimento da solução de comunicações sem fios suportadas por drones, que garantirá comunicações entre as equipas de emergência no terreno e o centro de comando, quando há falha de cobertura móvel ou necessidade de reforço de capacidade no local do desastre. 

“Quando a solução integrada que estamos a desenvolver estiver pronta, vai permitir que as equipas de emergência facilmente melhorem a sua capacidade de avaliação da situação e a sua própria proteção. Esta solução vai incluir a integração de uma frota de drones que pode ser operada por um único piloto em vez de termos um piloto a operar cada drone”, explica Rui Campos, coordenador da área de redes sem fios do Centro de Telecomunicações e Multimédia (CTM) do INESC TEC.

Para além de simplificar e acelerar a avaliação da situação de catástrofe, a partilha de informações, a tomada de decisões e a gestão das operações, a solução vai fornecer informações de alta qualidade a qualquer centro de controlo envolvido através de um sistema web inteligente e acessível, que pode ser operado de forma remota. A solução vai ainda incluir uma rede de comunicações aérea para permitir que as equipas de emergência em terra comuniquem com o centro de comando em caso de falha ou necessidade de reforço da cobertura móvel no local do desastre. 

Quando este projeto estiver concluído, a implementação do sistema ResponDrone será bastante simples. “Para garantirmos que há uma adoção contínua desta solução por parte das organizações de primeiros socorros, o ResponDrone vai ser totalmente integrado e incorporado nos processos e procedimentos atuais das equipas de emergência”, explica o investigador do CTM.

Os investigadores do INESC TEC que fazem parte da equipa que participa no ResponDrone são: André Coelho, Eduardo Almeida, Hélder Fontes, José Ruela, Manuel Ricardo, Pedro Brito e Rui Campos.

A reunião de arranque do projeto ResponDrone decorreu em Madrid, no final do mês de maio. Participaram nesta reunião as 20 instituições internacionais, pertencentes a 12 países, que constituem o consórcio. Fazem parte do ResponDrone as seguintes instituições: German Aerospace Center (Alemanha), Israel Aerospace Industries (Israel), Alpha Unmanned Systems (Espanha), Thales Group (França), Korea Aviation Technologies (Coreia do Sul), Haut Comité Français pour la Défense Civile (França), National Emergency Management Authority (Israel), Fire Fighter Department of Corsica (França), Safety Region Haaglanden (Holanda), State Fire and Rescue Service of Latvia (Letónia), Ministry of Emergency Situations (Arménia), Region of Western Macedonia (Grécia), Region of Central Macedonia (Grécia), Regional Administration of Varna (Bulgaria), INESC TEC (Portugal), Commissariat à l’Énergie Atomique (França), INHA University (Coreia do Sul), American University of Armenia (Arménia), Time.lex (Bélgica), Agora Partners (Israel).

Este projeto é financiado pelo programa de Investigação e Inovação da União Europeia H2020 e pelo Governo Coreano ao abrigo do acordo número 833717.

Mais informações sobre o projeto podem ser encontradas aqui: https://respondroneproject.com/

 

Os investigadores mencionados nesta notícia têm vínculo ao INESC TEC e à UP-FEUP.