Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

INESC TEC cria solução que evita desastres ambientais com combustíveis

Um grupo de investigadores do Centro de Telecomunicações e Multimédia (CTM) do INESC TEC desenvolveu uma tecnologia que vai tornar possível monitorizar remotamente e de forma contínua mangueiras submersas.

12 agosto 2019

 O resultado? Manutenção preventiva e deteção de fugas, evitando assim potenciais desastres ambientais. Esta solução de comunicações sem fios, baseada em indução magnética e comunicações em multi-salto, é pioneira à escala mundial. Já foram, por isso, submetidos dois pedidos de patente.

O objetivo passava por desenvolver uma solução de comunicações sem fios subaquática que permitisse monitorizar as mangueiras submersas que são usadas no transporte de fluídos, incluindo crude e água salgada, entre navios e refinarias em terra e nas plataformas petrolíferas em alto mar.

A tecnologia, chamada UnWSN (Underwater Wireless Sensor Network), permite monitorizar remotamente mangueiras submersas, com um comprimento até 150 metros, ao longo de vários anos, sem necessidade de substituição das baterias dos nós de comunicações.

“Atualmente, a monitorização destas mangueiras é feita por mergulhadores, o que tem custos associados à contratação de recursos humanos especializados. Além disso, esta monitorização está limitada a águas pouco profundas e é feita com periodicidade de meses. A tecnologia desenvolvida permite a monitorização remota contínua com custos significativamente menores, e é aplicável quer em águas pouco profundas quer em águas profundas”, explica Rui Campos, coordenador da área redes sem fios do CTM.

A ideia, no futuro, é que a tecnologia desenvolvida seja integrada em mangueiras utilizadas pelas empresas para o transporte de fluídos, por exemplo, no caso da trasfega de crude entre navios e refinarias em terra.

A equipa do INESC TEC que esteve responsável pelo desenvolvimento desta tecnologia é composta por: Filipe Teixeira, Hugo Santos, Luís Pessoa, Rui Campos e Tiago Oliveira.

 

Os investigadores do INESC TEC mencionados na notícia têm vínculo ao INESC TEC.

 

Créditos foto: riverlakesolutions.com