Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Fechar
  • Menu
Artigo

iMan Norte Hub promove Digitalização da Indústria no Norte de Portugal

Nasceu um Digital Innovation Hub, uma Rede de Inovação Digital para a indústria no Norte de Portugal, que tem por missão fomentar a transformação digital das empresas industriais da região Norte e estimular o respetivo ecossistema de inovação. Chama-se iMan Norte Hub e teve a sua sessão de lançamento no dia 25 de maio em Leça da Palmeira.

01 junho 2018

INESC TEC integra Rede de Inovação Digital para a Indústria

Ao incentivar a transformação digital das empresas industriais da região Norte de Portugal, designadamente através da adoção e difusão de tecnologias avançadas de produção, o iMan Norte Hub ambiciona desenvolver áreas chave, nomeadamente a digitalização e a robótica, e combinar a existência de competências e infraestruturas científicas e tecnológicas, com vista a potenciar a criação de novos negócios e fortalecer os já existentes.

Como vai funcionar

Os principais objetivos da iniciativa passam, por um lado, apoiar as empresas industriais da Região na identificação de oportunidades, demonstração e teste de soluções avançadas, definição de planos de implementação e seleção de fornecedores nas áreas da digitalização, IoT (Internet-of-Things) e robótica. Por outro lado, pretende-se melhorar a colaboração entre os envolvidos no ecossistema através da interligação entre centros de investigação, centros tecnológicos, associações industriais, incubadoras, parques tecnológicos, empresas, instituições formadoras e agências governamentais. Em particular pretende-se promover a colaboração entre empresas de base tecnológica, centros de competência e empresas industriais no desenvolvimento de soluções nacionais mais competitivas e adequadas às necessidades das empresas da região.

Entre os serviços principais do iMan Norte Hub estão a elaboração de diagnósticos e roteiros tecnológicos, a procura de fornecedores e parceiros, a validação e demonstração de soluções inovadoras, estudos setoriais e tecnológicos, o apoio ao desenvolvimento de novos negócios e a interligação com fontes de financiamento. Estes serviços serão fornecidos pelos parceiros da rede, nomeadamente por centros de competência, incubadoras, associações empresariais, empresas fornecedoras de tecnologias de produção, incluindo sistemas de informação, equipamentos, automação e robótica, e ainda por empresas prestadoras de serviços de consultoria e engenharia.
Quem coordena o programa

Além do INESC TEC, as entidades responsáveis pela coordenação deste programa são: PRODUTECH (Pólo das Tecnologias de Produção), UPTEC (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto), CATIM (Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica), CITEVE (Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal), CTCP (Centro Tecnológico do Calçado de Portugal) e CTCOR (Centro Tecnológico da Cortiça). A coordenação geral da iniciativa é assumida pela PRODUTECH.

iman

São as competências específicas de cada uma destas entidades que permitem a criação de uma espécie de “ecossistema de negócio”, de âmbito regional, “em áreas associadas às TIC e tecnologias de produção, tais como eletrónica e automação, ciências da computação, equipamentos de produção e da oferta local existente em soluções tecnológicas especializadas para a indústria da manufatura”, explica Fernando Sousa, presidente da PRODUTECH.

Esta Rede de Inovação Digital surge no contexto do plano de ação da Comissão Europeia para a digitalização da indústria europeia e da estratégia para a criação de um mercado único digital, que inclui a criação destes Digital Innovation Hubs. De acordo com a Comissão “é necessário adequar o mercado único europeu à era digital eliminando barreiras regulamentares e passando dos atuais 28 mercados a um mercado único”.

O lançamento oficial


A sessão de lançamento decorreu no dia 25 de maio, na Marina de Leça da Palmeira, e contou com a presença de Ana Teresa Lehmann, Secretária de Estado da Indústria e da Vice-Presidente da CCDR-N, Ester Gomes da Silva. Representantes de todas as entidades que integram o iMan Norte Hub tiveram a oportunidade de apresentar a iniciativa, medidas de apoio à digitalização da indústria e casos de sucesso de implementação em diversos setores industriais.

“A transformação digital das empresas portuguesas, que já está em curso, é crucial para o futuro da nossa economia. Os Digital Innovation Hubs terão um papel central neste movimento, enquanto redes de infraestruturas, através das quais as empresas podem ter acesso a centros de desenvolvimento, de testes, a conhecimento tecnológico e a fontes de financiamento”, referiu Ana Teresa Lehmann, que felicita a criação deste segundo Digital Innovation Hub em Portugal (o primeiro é coordenado pela PRODUTECH) e anuncia que vão ser 10 até ao final do ano.  

Por sua vez, Ester Gomes da Silva reforçou que esta colaboração está ligada e contribui para a estratégia de especialização inteligente da região Norte, que descreve os 'sistemas de produção avançada' como um domínio de prioridade de investimento e inovação para a região. “Neste contexto, congratulamo-nos com a iniciativa, que permitirá às empresas do Norte realizar ganhos de competitividade através da disseminação da tecnologia digital”, explica a vice-presidente.

No final, houve ainda lugar a uma mesa redonda, subordinada ao tema “Digitalização da Indústria: Casos e experiências de sucesso”, moderada por Luís Carneiro, membro do Conselho de Administração do INESC TEC, e paralelamente à sessão, decorreu também uma exposição temática que contou com vídeos e demonstrações de todos os parceiros do iMan Norte Hub.

Projeto BEinCPPS



É no âmbito do projeto BEinCPPS - Business Experiments in Cyber Physical Production Systems, desenvolvido no Centro de Engenharia de Sistemas Empresariais (CESE) do INESC TEC, que surge o iMan Norte Hub.


O objetivo do projeto BEinCPPS é integrar e testar em ambiente fabril sistemas de produção ciber-físicos (CPPS) com base na Internet do Futuro (Future Internet – plataforma cloud), em cinco regiões da iniciativa Europeia Vanguard numa primeira fase e, posteriormente, de forma a abranger todas as regiões europeias, envolvendo centros de competência locais e pequenas e médias empresas (PME) da indústria transformadora. O propósito final é melhorar drasticamente a adoção de CPPS por toda a Europa, criando e promovendo ecossistemas de inovação regional impulsionados pela adoção de tecnologias da Indústria 4.0, compostos por centros de competência, empresas industriais e PMEs fornecedoras de tecnologia.

O projeto BEinCPPS é financiado no âmbito do programa-quadro de investigação e inovação da União Europeia, Horizonte 2020, e tem prevista a sua conclusão em outubro de 2018.

FIWARE Global Summit



Ao abrigo da iniciativa iMan Norte Hub, o INESC TEC participou ainda no Fiware Global Summit, que teve lugar no Porto, nos dias 8 e 9 de maio. Esteve representado por António Lucas Soares e Ana Barros, investigadores do CESE, através dos quais foi dado a conhecer o trabalho desenvolvido na rede iMan Norte Hub, no contexto do projeto BEinCPPS.


No primeiro dia, António Lucas Soares foi moderador do Painel 3, intitulado “Connected Industry: from strategy to reality”, inserido na área de trabalhos dedicada ao Caminho para uma Indústria Inteligente.
No segundo dia, Ana Barros apresentou a comunicação “iMan Norte Hub: Role of Digital Innovation Hubs in the Digitalization of the Industry”, uma das participações do Painel 4, designado “Fiware for Industry related initiatives and success stories” e também inserido na área de trabalhos dedicada ao Caminho para uma Indústria Inteligente. Nesse momento, houve ainda espaço para apresentações dos demonstradores implementados pelo projeto, nomeadamente pela PRIMACY, Whirlpool e GF-INNO (BOOST INNOVALIA).

A conferência FIWARE Global Summit reuniu programadores, empreendedores, decisores políticos, líderes, industriais e investidores para trocar ideias e desenvolvimentos na forma como a IoT e as soluções open data podem ser implementadas nas áreas das Cidades Inteligentes, Indústria 4.0 e Agricultura.

Os investigadores mencionados na notícia têm vínculo ao INESC TEC e à UP-FEUP.