Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Projeto liderado pelo INESC TEC quer “limpar” Portos dos Açores

O Centro de Robótica e Sistemas Autónomos (CRAS) do INESC TEC lidera o projeto “PORT XXI- Space Enabled Sustainable Port Service”, que pretende desenvolver e implementar soluções de monitorização e gestão ambiental, com o objetivo de melhorar a gestão de atividades complexas e alcançar zero poluição nos Portos dos Açores.

04 março 2021

“Este projeto tem duas componentes: a componente ambiental e a componente relacionada com a atividade portuária, oferecendo várias vantagens. Por um lado, as soluções de monitorização em tempo real vão oferecer uma cobertura mais ampla dos parâmetros de qualidade da água e do ar. Por outro lado, as ferramentas de previsão vão permitir um melhor planeamento da atividade dos portos e automatizar tarefas que até agora eram exclusivamente manuais”, explica Aníbal Matos, coordenador do CRAS e professor na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

O estudo pretende utilizar diversas fontes de informação tais como: observação da Terra através de satélite, dados meteorológicos, oceanográficos e de CCTV, e em simultâneo extrair desses dados conhecimento através de Big Data e inteligência artificial, utilizando ainda soluções robóticas automatizadas e tirando partido das infraestruturas de comunicação e navegação por satélite, em condições normais de funcionamento, assim como durante eventos climáticos extremos, avaliando os impactos das mudanças climáticas. Em termos ambientais, este projeto debruça-se sobre várias problemáticas relacionadas com a qualidade da água (derrames de óleo e plásticos) e a qualidade do ar (COx, SOx, NOx, PM10, PM2.5).

 Projeto pode chegar a outros portos

O INESC TEC é responsável pelos sistemas de gestão portuária, de inteligência artificial e pela robótica marinha autónoma. Integram ainda o projeto o AIR Centre, que estudará o uso de soluções baseadas em tecnologias de observação da Terra para a monitorização da poluição nos portos; o IN+/IST, responsável pela análise de impacto económica; os Portos dos Açores, enquanto utilizadores finais; e, finalmente, os prestadores de serviços de monitorização e gestão ambiental, MONIPORT e David Mendes/AMBERJACK SOLUTIONS.

Adicionalmente, outros portos e entidades relevantes estão a ser convidados a fazer parte do User and Stakeholder Group (USG) e já demonstraram interesse os portos de: Huelva, ENAPOR - Portos de Cabo Verde, Aveiro, Lisboa, Setúbal, Sesimbra; da Associação Portuguesa de Portos - APP); de entidades governamentais (Governo dos Açores - FRCT - Fundação Regional para a Ciência e Tecnologia e SEMA – Secretaria do Ambiente do Estado de Bahia); de entidades empresariais (Cluster Marítimo das Canárias e EMERGE), como também de entidades de capacitação (UTA - Universidade Técnica do Atlântico - Cabo Verde).

O projeto é financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA), através da iniciativa ESA Space Solutions, com 200 mil euros alocados ao PORT XXI. A ESA Space Solutions serve como plataforma de lançamento para ideias inovadoras em diferentes áreas da sociedade e da economia. O principal objetivo é apoiar empreendedores europeus no desenvolvimento dos seus negócios, com recurso a satélites e a tecnologias espaciais, com vista à melhoria da qualidade de vida.

Mais informação sobre o projeto em https://portxxi.org/

O investigador do INESC TEC mencionado na notícia tem vínculo à UP-FEUP.