Cookies
O website necessita de alguns cookies e outros recursos semelhantes para funcionar. Caso o permita, o INESC TEC irá utilizar cookies para recolher dados sobre as suas visitas, contribuindo, assim, para estatísticas agregadas que permitem melhorar o nosso serviço. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Projeto INESC TEC permite prever resultado das cirurgias em doentes com cancro da mama

O projeto europeu Cinderella pretende melhorar a previsão dos resultados das cirurgias reconstrutivas em doentes com cancro da mama. O objetivo é apoiar as pacientes, que se submetam a mastectomias, na gestão de expetativas no que respeita aos resultados estéticos da reconstrução, facilitando, dessa forma, a decisão das mesmas durante a fase de escolha da intervenção a realizar. O protocolo que formaliza este projeto europeu foi assinado no dia 23 de maio e conta com um financiamento de cinco milhões de euros.

02 junho 2022

A solução a desenvolver no âmbito do Cinderella integra inteligência artificial para mostrar a doentes com cancro de mama uma imagem mais aproximada e real daquilo que poderá ser o resultado da intervenção cirúrgica. O INESC TEC, através do Centro de Telecomunicações e Multimédia (CTM), vai estar responsável pela melhoria e desenvolvimento do algoritmo a ser aplicado, produzindo imagens de possíveis resultados estéticos das cirurgias. Este trabalho vai ser feito com recurso a informação personalizada de cada doente, uma base de dados de fotografias pré e pós cirurgia, bem como resultados de questionários de satisfações das doentes sobre os resultados estéticos dos procedimentos a que foram submetidas.

“O algoritmo de inteligência artificial adaptará ainda as imagens selecionadas aos traços físicos da doente para que esta se sinta ainda mais refletida nas previsões apresentadas”, explica Jaime Cardoso, investigador responsável pelo projeto no INESC TEC.

Em concreto, será passada toda a informação sobre os diferentes tipos de cirurgias possíveis e todos os questionários de qualidade, para uma plataforma de saúde, a CANKADO, disponível na web e também como aplicação móvel. Depois disto, a CANKADO articula-se com o repositório de imagens e o algoritmo de inteligência artificial desenvolvido, mudando a maneira de encarar a escolha da cirurgia por parte das doentes. Além disso, em vez de ser baseada apenas numa reunião com o cirurgião e com uma enfermeira, as doentes com acesso à aplicação móvel passam a conseguir mostrar as previsões mais realistas para cada cirurgia aos seus próximos e discutir com eles a melhor decisão a tomar.

Este projeto conta 10 parceiros internacionais, dos quais fazem parte o INESC TEC, a Fundação Champalimaud, a Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, de Portugal, a CANKADO e a Universidade de Heidelberg, da Alemanha, o Hospital San Raffaele e a Universidade Luigi Bocconi, da Itália, o Centro Médico de Sheba, de Israel, bem como a Universidade Médica de Gdańsk, da Polónia.

O investigador do INESC TEC mencionado na notícia tem vínculo à UP-FEUP.