Cookies
O website necessita de alguns cookies e outros recursos semelhantes para funcionar. Caso o permita, o INESC TEC irá utilizar cookies para recolher dados sobre as suas visitas, contribuindo, assim, para estatísticas agregadas que permitem melhorar o nosso serviço. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Investigador INESC TEC é o 1.º português selecionado para o programa Microsoft Research PhD Fellowship

António Correia, investigador do INESC TEC, e doutorando em Informática na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), é o primeiro português a ser selecionado para o programa Microsoft Research PhD Fellowship.

09 novembro 2021

Esta iniciativa mundial tem como objetivo identificar e capacitar a próxima geração de especialistas em investigação e inovação na área da computação. 

Esta nomeação resulta do trabalho de investigação desenvolvido por António Correia no âmbito da sua tese de doutoramento “Crowd-computing hybrids in scientific discovery” (para o qual foi atribuída uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia). A tese, orientada por Benjamim Fonseca (INESC TEC), e coorientada por Hugo Paredes (INESC TEC) e Shoaib Jameel (Universidade de Essex), pretende investigar a integração de modelos híbridos de interação homem-máquina em tarefas científicas, com especial enfoque no uso de crowdsourcing para suportar processos de cienciometria que têm como base a análise da produção científica em grande escala. 

“Acreditamos que uma abordagem desta natureza pode ajudar a mitigar alguns dos problemas atuais como a ‘desinformação científica’ e a incapacidade de acompanhar os avanços nos diversos campos do conhecimento devido ao grande volume de informação que é publicada”, explica António Correia. 

Com este trabalho, o investigador do INESC TEC tem como objetivo perceber a forma como a colaboração homem-máquina pode gerar uma “inteligência coletiva híbrida” de suporte à decisão num contexto multidisciplinar e, assim, fazer correlações e identificar padrões que podem dar lugar a novas descobertas. Contudo, e de acordo com o próprio, há ainda um longo caminho a percorrer para que seja possível traçar um conjunto de implicações para o design de sistemas híbridos desta natureza, onde o trabalho de campo com recurso a metodologias alicerçadas na etnografia e abordagens similares será essencial para examinar as práticas reais e os comportamentos de adoção a nível individual e institucional com recurso a um estudo aprofundado das interações além dos algoritmos. 

“A nível pessoal, espero poder usufruir ao máximo desta experiência em Cambridge e que futuramente mais investigadores em Portugal consigam ganhar este prémio, deixando também um agradecimento muito especial aos membros da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com quem tenho vindo a colaborar ativamente nos últimos anos, sem eles nada disto seria possível”, referiu o investigador do Centro de Sistemas de Informação e de Computação Gráfica (CSIG) do INESC TEC. 

Os investigadores INESC TEC mencionados na notícia têm vínculo à FCT e à UTAD.