Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

INESC TEC participa em projeto europeu para apoiar construção naval

O INESC TEC, através do Centro de Robótica Industrial e Sistemas Inteligentes (CRIIS), participa no projeto europeu Mari4_YARD.

19 fevereiro 2021

O principal objetivo é o desenvolvimento de soluções de construção flexível e modular em estaleiros de pequena e média dimensão, de forma a aumentar a sua competitividade - ajudando-os, assim, a superar as principais dificuldades em termos de custos, resultantes das atividades desenvolvidas neste segmento do mercado.

Mais concretamente, o contributo do INESC TEC traduz-se no know-how em modelos de gestão de tarefas, no desenvolvimento de interfaces intuitivas homem-máquina para efeitos de programação de robôs, na integração de módulos de perceção e de localização, e na utilização de tecnologias de realidade aumentada. Além disso, a vasta experiência do Instituto na transferência de tecnologia para o setor industrial, aliada à forte vertente colaborativa com a Universidade do Porto, será um importante recurso para apoiar as atividades desenvolvidas no âmbito do Mari4-YARD.

Segundo o investigador Luís Rocha "o INESC TEC irá contribuir para o desenvolvimento de soluções robóticas flexíveis e reconfiguráveis, promovendo a redução do tempo que é gasto atualmente em programação e configuração dos robôs, estando esta redução estimada em 60%. No projeto, iremos contribuir também para o desenvolvimento de ferramentas de realidade aumentada com o intuito de auxiliar os operadores nas suas tarefas. Espera-se que a implementação destas ferramentas aumente a precisão e qualidade da produção em 60%".

O Mari4_YARD é financiado pelo Programa-Quadro de Investigação e Inovação da EU - Horizonte 2020, ao abrigo do acordo n.º 101006798. O consórcio do projeto, que teve início em 2020 e irá durar até 2024, é composto por 18 entidades, oriundas de nove países.

O investigador mencionado na notícia tem vínculo ao INESC TEC.