Cookies
O website necessita de alguns cookies e outros recursos semelhantes para funcionar. Caso o permita, o INESC TEC irá utilizar cookies para recolher dados sobre as suas visitas, contribuindo, assim, para estatísticas agregadas que permitem melhorar o nosso serviço. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Estrutura para produção eficiente de produtos customizados instalada com sucesso

Quase 4 anos depois, o projeto FASTEN – Flexible and Autonomous Manufacturing Systems for Custom-Designed Products – chegou ao fim.

17 agosto 2021

O objetivo, alcançado com sucesso através dos dois pilotos instalados no Brasil e em Portugal, passava pelo desenvolvimento e demonstração de uma estrutura integrada e modular para uma produção eficiente de produtos customizados, aplicada à indústria. Na estrutura foram incorporadas tecnologias de robótica flexível, produção aditiva e de simulação-otimização em sistemas de manufatura e logísticos focados na customização em massa a baixo custo.

Foram dois os casos de uso do FASTEN: europeu e brasileiro. No primeiro caso interveio a EMBRAER (unidades do Brasil e Portugal), uma empresa que opera na área da indústria aeroespacial. A EMBRAER forneceu condições para o desenvolvimento de robótica adaptável para o pick & place, prestando igualmente um suporte aprimorado à decisão e gestão da linha de montagem de asa.

O segundo caso de estudo envolveu a multinacional alemã Thyssenkrupp, cuja atividade se centra nas áreas da engenharia industrial e produção de aço com destaque no segmento de elevadores. Esta especialidade da empresa facilitou a construção de uma Manufatura Aditiva Robótica Inteligente e de um conjunto de ferramentas de otimização e simulação preditivas capazes de projetar um sistema de rede de manufatura ideal, realizando uma monitorização em tempo real.

“Os desenvolvimentos do FASTEN vão tornar possível uma melhoria da capacidade de resposta do serviço de assistência técnica e das tarefas de recuperação de peças e preparação de kit para linhas de produção. Para além disso, vão também permitir a redução de custos operacionais e de stock, o aumento da flexibilidade de fabricação para o aprovisionamento de peças de reposição, o redimensionamento, modelação e substituição de peças e o fornecimento mais célere e fidedigno de componentes destinados a linhas de produção”, explica César Toscano, o investigador do Centro de Engenharia de Sistemas Empresariais (CESE) do INESC TEC, responsável por este projeto por parte da instituição.

Em termos de Technology Readiness Level, os resultados fixaram-se no nível 7 (Complete System). Assim sendo, a tecnologia desenvolvida está pronta para ser explorada pelo mercado. Os parceiros que integram o consórcio prosseguirão com planos de exploração e comercialização dos 24 resultados identificados no projeto FASTEN.

A reunião final do projeto foi realizada online, em formato de videoconferência, em junho, e encerrou uma avaliação global positiva no que diz respeito aos resultados atingidos e à colaboração Brasil-Europa. Na sessão marcaram presença os coordenadores do projeto INESC P&D Brasil e INESC TEC, além dos membros do consórcio representados pelos parceiros Politécnico de Milano, Intellimech, PACE/TXT, EMBRAER, Thyssenkrupp, BRADEL, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal da Bahia e Universidade Federal de Goiás.

Coordenada pelo investigador César Toscano (CESE), a equipa INESC TEC do FASTEN integrou os investigadores do CESE César Toscano, João Pedro Basto, Hugo Miguel Ferreira, Narciso Sobral, Roberto Vita, Jorge Pinho de Sousa, José Soeiro Ferreira,  Rui Correia Dias  e do Centro de Robótica Industrial e Sistemas Inteligentes (CRIIS) Rafael Arrais, Carlos Costa, António Paulo Moreira, Germano Veiga, João Souza, Luís Rocha, Pedro Miguel Melo, e Sérgio Teixeira.

Os investigadores mencionados na notícia têm vínculo ao INESC TEC, à UP-FEUP e à UTAD.