Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Descarbonização das cidades através de baterias ganha assinatura INESC TEC

Projeto mobilizador Baterias 2030 vai instalar um laboratório vivo no centro da cidade de Braga para demonstração de conceitos e tecnologias.

21 maio 2021

O INESC TEC, juntamente com mais 23 entidades nacionais, participa no projeto mobilizador “Baterias 2030”. O projeto tem como objetivo promover a descarbonização das cidades através de comunidades de energia renovável e prevê não só desenvolver baterias de nova geração e soluções de reutilização e recuperação de baterias de iões de lítio para aplicações de segunda vida no âmbito da comunidade de energia, mas também um conjunto de tecnologias de produção renovável adaptada a ambientes urbanos, como módulos solares fotovoltaicos para fachadas, sistemas eólicos e pavimentos com capacidade de gerar energia.

Clara Gouveia, responsável pela participação do INESC TEC no “Baterias 2030”, explica a importância do projeto: “O armazenamento de energia é essencial para maximizar a utilização da produção renovável, permitindo armazenar energia nas horas de maior produção para utilizá-las nas horas de maior consumo e ainda partilhar energia entre os membros da comunidade de energia.”

Para demonstrar como as baterias vão ser determinantes nas redes elétricas do futuro, o projeto prevê ainda, entre 2022 e 2023, criar um laboratório vivo no centro da cidade de Braga para servir de palco de experimentação de conceitos e tecnologias.

A participação do INESC TEC no projeto está a cargo do Centro de Sistemas de Energia (CPES), que lidera a definição do sistema de gestão de energia das comunidades de energia renovável, tendo em conta o contexto regulatório atual. O sistema de gestão, que será desenvolvido em conjunto com mais 8 parceiros do consórcio, representa a camada de inteligência que garante a gestão eficiente de todos os recursos para benefício da comunidade de energia renovável urbana.

“O nosso trabalho consiste no desenvolvimento de modelos avançados para as novas tecnologias de baterias e para flexibilidade do consumo, e ainda os algoritmos de gestão otimizada da comunidade de energia renovável”, explica Clara Gouveia.

O “Baterias 2030” iniciou em julho do ano passado e junta um consórcio de 14 empresas e nove centros de investigação nacionais, liderado pela dst solar. Conta com um financiamento conjunto destas entidades no valor 8,3 milhões de euros e vai prolongar-se até junho de 2023.