Cookies
Usamos cookies para melhorar nosso site e a sua experiência. Ao continuar a navegar no site, você aceita a nossa política de cookies. Ver mais
Aceitar Rejeitar
  • Menu
Artigo

Arranca projeto europeu que visa facilitar a integração entre robôs e sistemas de realidade estendida

O projeto Mirrorlabs, que pretende criar uma arquitetura de software que facilite a integração de realidade virtual, realidade aumentada e robôs, teve a reunião de kick-off, por videoconferência, no dia 24 de março. O INESC TEC, através do Centro de Robótica Industrial e Sistemas Inteligentes (CRIIS) e do Centro de Engenharia de Sistemas Empresariais (CESE), é um dos parceiros do projeto.

20 abril 2020

A geração de visualizações de realidade estendida em sistemas de produção ciberfísicos tem aplicações educacionais, mas também tem um grande potencial de investigação, quando realizados estudos para deduzir os princípios para interação homem-máquina no contexto da Indústria 4.0.

Uma vez que diversas instituições de investigação possuem um conjunto idêntico de equipamentos como, por exemplo, robôs colaborativos e óculos de realidade estendida, há uma oportunidade para se desenvolver uma infraestrutura comum e fácil de utilizar, que possibilite a comparação de resultados e a partilha de tutoriais e algoritmos.

Ao mesmo tempo, esta infraestrutura pode possibilitar que pequenas e médias empresas experimentem e iniciem o desenvolvimento de tecnologias relacionadas com  sistemas de produção baseados na colaboração homem-robô.

O INESC TEC conta com o envolvimento dos seguintes investigadores: Marcelo R. Petry, Gustavo Emanuel Barbosa Teixeira e António Paulo Moreira, investigadores do CRIIS, e Ana Cristina Mesquita Cortez de Oliveira Barros, investigadora do CESE. O projeto arrancou em janeiro e terá uma duração de 18 meses.

Financiado pelo EIT Manufacturing, o Mirrorlabs conta com a participação de sete parceiros internacionais, em concreto, o INESC TEC, única instituição portuguesa envolvida, TU Delft, na Holanda, Aalto University, na Finlândia, University of Tartu, na Estónia, TU Braunschweig, na Alemanha, LMS Patras, na Grécia, e SUPSI, na Suíça.

Os investigadores do INESC TEC mencionados na notícia têm vínculo ao INESC TEC e à UP-FEUP.