Secções
  Entrada CITE Notícias & Eventos Nós na Imprensa Incêndios penalizam economia nacional em 250 milhões de euros por ano (Jornal Económico)
Acções do Documento

Incêndios penalizam economia nacional em 250 milhões de euros por ano (Jornal Económico)

Desde o início do ano passado até 15 de outubro de 2016 aconteceram um total de 2677 incêndios florestais e 10 402 fogachos, resultando em 160 490 hectares de área ardida, segundo noticia o Dinheiro Vivo.

Os incêndios em Portugal têm um impacto na economia nacional de mais de 200 milhões de euros em perdas diretas, todos os anos. O valor depende das áreas afetadas pelos fogos e das espécies presentes na região, mas a estimativa do investigador Abílio Pereira Pacheco, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) é que a média anual das perdas entre 2005 e 2014 tenha sido de 173 milhões de euros, segundo noticia o Dinheiro Vivo.

Cerca de 120 milhões de euros são gastos anualmente em prevenção e supressão dos fogos. “Há uma deficiente gestão do dinheiro público. Os meios de prevenção só absorvem entre 5 e 10% do orçamento para combater os incêndios. Há uns 20 a 25% para despesas como a vigilância e a deteção, mas isso acaba por entrar mais no combate ao fogo. Grande parte do bolo (40 a 50 milhões de euros/ano) vai mesmo para o combate aos fogos, isto é, metade do orçamento”, explicou o professor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Paulo Fernandes, em declarações ao Dinheiro Vivo.

Desde o início do ano passado até 15 de outubro de 2016 aconteceram um total de 2677 incêndios florestais e 10 402 fogachos, resultando em 160 490 hectares de área ardida. Um dos problemas é que, do total das exportações nacionais, cerca de 9% resultam de atividades económicas relacionadas com a floresta, que são afetadas no caso de incêndio. No caso de Pedrógão Grande, a espécie predominante é o eucalipto, que não tem um valor económico muito elevado.

Jornal Económico, 19 de junho de 2017